Para quem?

Para um profissional de idade média, com curiosidade pela tecnologia, a inovação e o progresso.

Uma pessoa culta e assoberbada pela mudança, não preocupada. Que é muito exigente com o seu tempo e com o conteúdo que elege e que considera que o alcance das duas decisões pode ser relevante para as organizações humanas sobre as quais tem, ou pode ter, influência.

Como?

Como, se numa reunião, um dos seus intervenientes dedicasse três minutos a narrar uma ideia que lhe parece relevante e que deseja transmitir. Sentado à mesa, com um tablet e um esquema, uma fórmula, fazendo um desenho no momento ou ao sublinhar uns quantos itens.